Blog

O que você precisa saber sobre a cirurgia de aumento de mama

O que você precisa saber sobre a cirurgia de aumento de mama

20/10/2016

A cirurgia de aumento de mama, ou mamoplastia de aumento, baseia-se na utilização de implantes para promover ou restaurar o tamanho mamário, tanto em casos de mamas pequenas quanto pelas reduções de volume que ocorrem após a gestação e aleitamento materno, perda de peso, ressecções de tumores ou mastectomia. Esse procedimento da cirurgia plástica contribui para a melhoria das proporções corporais e também para a autoestima e autoconfiança da paciente.

A mamoplastia de aumento é indicada para mulheres com o desenvolvimento completo das mamas nas seguintes situações:

  • insatisfação com o volume de suas mamas;
  • mamas flácidas e pouco volumosas devido a alterações após a gravidez, perda de peso ou envelhecimento;
  • sequelas nas mamas causadas por ressecções de tumores;
  • diferença de volume e formato das mamas entre si;
  • deformidades congênitas ou traumas que levam ao não crescimento das mamas.

É importante saber que a colocação de implante mamário, isoladamente, não corrige mamas com muita flacidez de pele. Nesses casos, uma mastopexia é indicada. Somente um cirurgião plástico especializado pode avaliar as características das mamas de cada paciente e indicar a melhor cirurgia.

O próximo passo é conhecer o processo pré-operatório, do qual fazem parte:

  • uma avaliação médica e exames laboratoriais;
  • a realização de uma mamografia ou ultrassom das mamas;
  • cessar o tabagismo, já que o mesmo prejudica a vascularização da pele e pode levar a dificuldades de cicatrização da ferida cirúrgica;
  • suspensão da ingestão de medicamentos como o ácido acetilsalicílico (AAS), corticóides, antidepressivos, anti-inflamatórios, inibidores de apetite, anticoncepcionais ou reposição hormonal, conforme orientação médica. É essencial que o cirurgião  saiba de todos os medicamentos e fórmulas dos quais a paciente faz uso;
  • lavagem do tórax com sabonete antisséptico durante três a quatro dias antes da cirurgia;
  • depilação das axilas;
  • verificação dos documentos de registro do implante mamário (nos casos de troca do mesmo).

O cirurgião escolhido, além de avaliar o estado geral de saúde e todas as condições pré-existentes e fatores de risco, também examina as mamas, faz medidas detalhadas de tamanho e forma, verifica a qualidade da pele e posição dos mamilos, e fotografa a paciente para programação da cirurgia e documentação. É papel dele recomendar o tratamento mais adequado, discutir prováveis resultados, o tipo de anestesia a ser utilizada e alertar sobre os riscos e potenciais complicações. Para segurança, um termo de consentimento deve ser lido, esclarecido e assinado pela paciente.

A escolha dos implantes também acontece na preparação para a cirurgia. Eles são determinados não apenas pelo desejo da paciente, mas, principalmente, pelas características de cada mama, forma e simetria, elasticidade da pele e dimensões do tórax.

Os implantes de silicone são, atualmente, preenchidos com gel coesivo. Eles têm a textura muito parecida com o tecido natural da mama e, em caso de ruptura, o gel pode permanecer no interior do invólucro, que pode ser liso, texturizado ou de poliuretano. É importante lembrar que a ruptura de um implante de silicone não diminui a mama, portanto é necessário consultar o cirurgião plástico regularmente para checar as condições dele.

Como se dá o procedimento da cirurgia de aumento de mama

A etapa 1 é a anestesia. As opções incluem sedação intravenosa associada à anestesia local, anestesia geral ou anestesia peridural. O médico recomenda a que for melhor para a paciente.

A etapa 2 é a incisão. São feitas em áreas discretas para que a cicatriz fique o menos visível possível. As incisões mais comuns localizam-se no sulco inframamário ou ao redor da aréola. Outra opção é a incisão transaxilar. A escolha do acesso para colocação do implante varia conforme o tipo de implante, o volume, as particularidades anatômicas e a preferência da paciente e do cirurgião.

A etapa 3 é a inserção e colocação do implante. Após a incisão, determina-se o local onde a prótese será inserida. Pode ser embaixo do músculo peitoral maior, diretamente atrás do tecido mamário, sobre o músculo peitoral ou atrás da fáscia do músculo peitoral maior.

A etapa 4 é fechar as incisões, com suturas por camadas no tecido da mama e com suturas, colas ou adesivos para fechamento da pele.

A etapa 5 são os resultados. Eles são imediatamente visíveis. O período de recuperação, geralmente, é de 24 a 48 horas, seguido de um período de repouso de alguns dias, respeitando as recomendações do pós-operatório. Provavelmente, haverá dor e inchaço por algumas semanas, mas que diminuirão com o tempo. É importante estar ciente de que, em algumas situações, pode não ser possível atingir os melhores resultados com um único procedimento cirúrgico.

Como comportar-se no pós-operatório da cirurgia de aumento de mama

A observância dos cuidados pós-operatórios é fundamental para obtenção dos resultados, assim como sua manutenção. A seguir, algumas das recomendações:

  • os curativos devem ser trocados de uma a duas vezes por semana (no início, a paciente pode ir até o consultório; depois, é possível fazer em casa, por um período de 30 dias);
  • usar sutiã especial durante os primeiros 60 dias;
  • durante os primeiros 30 dias, não dirigir, não carregar peso, não levantar os braços e não realizar esforço físico. Evitar qualquer movimento desse tipo é fundamental para uma boa cicatriz;
  • para dormir, a posição deve ser, preferencialmente, a de barriga para cima. A posição lateral é permitida após a primeira semana e a de bruços, somente de 40 a 60 dias após a cirurgia, conforme a tolerância;
  • massagear as cicatrizes cirúrgicas, segundo orientação médica, por seis meses, com creme ou óleo, até que fiquem macias e claras;
  • massagear as próteses durante o banho a partir de uma semana do pós-operatório, segundo orientação médica. Essa massagem é muito importante, principalmente nos seis primeiros meses, para evitar a contratura capsular (formação de tecido cicatricial rígido em torno do implante);
  • banhos de sol são permitidos somente após três meses, com pequenas exposições e sempre usando filtro solar;
  • exercícios físicos e prática de esportes são recomendáveis de 60 a 90 dias após a operação;
  • o controle da prótese por meio de mamografia, ultrassom ou ressonância magnética deve ser realizado conforme orientação médica, periodicamente. Em caso de qualquer alteração na consistência ou posição das próteses, deve-se retornar ao médico para avaliação.

Não há garantia de que os implantes durem por toda a vida e a substituição de um ou ambos pode ser necessária. Além disso, gravidez, oscilações de peso, envelhecimento, gravidade e menopausa podem influenciar na aparência das mamas com prótese de silicone.

Possíveis riscos

Cicatrizes desfavoráveis, sangramento, hematoma, infecção, alterações de sensibilidade da mama ou do mamilo (de forma temporária ou permanente), dificuldades para amamentar, formação de tecido cicatricial rígido em torno do implante (contratura capsular), ruptura do implante, enrugamento da pele, acúmulo de líquido (seroma), dor crônica, trombose venosa profunda e complicações cardíacas, pulmonares ou relacionadas à anestesia podem manifestar-se após a colocação do implante mamário. Na presença de qualquer sintoma, comunique imediatamente seu médico.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), pesquisas científicas não comprovaram a relação entre o uso de implantes e o desenvolvimento de doenças na mama.